Icon Lupa Icon Menu
Início
icon seta icon seta icon seta icon seta icon
Homilia no Dia da Igreja Diocesana (com vídeo)
Imagem do artigo

Homilia no Dia da Igreja Diocesana (com vídeo)

Já naquele tempo, perguntou Moisés à sua gente: «Que povo escutou como tu a voz de Deus a falar do meio do fogo e continuou a viver?». Assim ouvimos na primeira leitura, certamente ecoando a experiência do próprio Moisés, que ouvira o Senhor na sarça ardente; e de todo o povo, diante do Sinai estremecido e fumegante. 
Hoje como então, não nos seria fácil admitir que um Deus imenso falasse a seres tão pequenos, a não ser porque dois mil anos de Cristo nos ensinaram – e do culto crente para a cultura geral – que Deus pode realmente comunicar-se ao comum dos mortais, usando linguagens e símbolos muito relativos para se comunicar a Si mesmo, absoluto que é.   Isto nos ensina que a verdade de Deus é ser amor, ou seja, comunicação em Si mesmo e para todos, encontrando o modo comezinho e habitual de se fazer entender, como é próprio de quem se quer realmente comunicar.
No caminho sinodal que vamos seguindo em Lisboa, tudo se traduz em comunicação e modo certo de a fazer - o que é muito bom sinal de coincidência com Deus e os seus propósitos. Na verdade, se, trimestre após trimestre, milhares de diocesanos – ordenados, consagrados e leigos – vamos rezando, refletindo e ensaiando os capítulos sucessivos da exortação apostólica Evangelii Gaudium, outro objetivo não temos senão esse mesmo de encontrar o melhor modo de levar a todos e a cada um o que nós próprios recebemos, isto é, a vida de Cristo, Verbo incarnado, Deus comunicado, Palavra divina que humana se fez e tão concretamente disse, viva e eficazmente disse. Ou seja, para chegarmos àquela “terra” inteira cujos confins estão por vezes bem perto, nas várias periferias existenciais que importa atingir e cristãmente preencher. Assim nos tornaremos «discípulos missionários» - palavras redundantes, pois ouvir a Cristo é ecoá-Lo também. E necessariamente assim, uma vez que, na sua humanidade, é Deus que nos fala e, repetimo-lo, Deus é comunicação absoluta. Quem realmente O ouve, imediatamente O comunica, passando da escuta à missão - e sem deixar de escutar, para missionar ainda mais.

- Que importante é este ponto, caríssimos irmãos e irmãs, aqui reunidos para celebrarmos a nossa Igreja Diocesana, à luz de Deus uno e trino! Localiza-se no Patriarcado – como em qualquer outra diocese do mundo – a verdade total do Deus que se comunica no corpo eclesial de Cristo, pelo impulso comum do Espírito que nos deixou. Foi aos setenta e dois, isto é, a nós todos, que Jesus disse e continua a dizer: «Quem vos ouve a mim ouve». Oiçamo-Lo primeiro e logo O comunicaremos também, vivendo e dando a viver as parábolas em que o seu Reino se traduz.
Mas oiçamo-Lo realmente primeiro. Coisa nada fácil em tempos tão mediáticos como os nossos, com o risco de mais nos perdermos num atordoante ruído do que realmente escutarmos alguma coisa ou alguém. Comunicação exige receção e resposta. Na unitrindade divina, isso está absolutamente garantido, pois a vida que está no Pai é inteiramente dada ao Filho, que inteiramente Lha retribuiu, na plena circulação do Espírito.
Importa que aconteça connosco, como sucedeu com Moisés. Certo dia, ardeu a sarça, e ardendo o chamou. Como depois no Sinai, fumegante também, foi o som de Deus. Num caso e noutro, nem morreu Moisés, nem morreu o povo. Bem pelo contrário, sempre que perdurou a atenção, existiu um “povo de Deus”, realmente assim e como sinal para todos, outro modo de dizer em missão. 
Importante é agora que em cada comunidade - familiar, paroquial, consagrada ou outra -, demos todo o espaço e prestemos toda a atenção à Palavra divina, que arde como fogo, forte e incontido. Assim recebemos Cristo, como recebemos Deus, no fulgor do Espírito. Assim faremos de cada comunidade uma sarça ardente e outro Sinai, onde Deus sempre falará, como falou então. Assim temos de ser nós, para sermos realmente alguma coisa, de Deus para o mundo.  
E sem medo de Deus, cujo fogo é amor. De Deus, que em Cristo se fez tão à nossa medida, e partilhou o Espírito, para podermos crescer até à sua. Ouvimo-lo a Paulo, na segunda leitura, traduzindo o âmago da nossa vida em Deus: «Todos os que são conduzidos pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. Vós não recebestes um espírito de escravidão para recair no temor, mas o Espírito de adoção filial, pelo qual clamamos: “Abbá, Pai”.»      

Caríssimos consagrados e consagradas, que hoje tão especialmente referimos, contando muito convosco no caminho sinodal de Lisboa. Vários e complementares são os vossos carismas, mas todos fazem de vós outros tantos registos do único som divino, que tanto ressoou na vida dos vossos fundadores e fundadoras, como a Igreja acolheu, para que a missão continue:Um carisma de especial consagração e missão é sempre um modo de Cristo falar com oportunidade e destaque. Peço-vos muito que mantenhais esse som reconhecido e próprio, na harmonia geral da missão da Igreja, hoje como ontem - aqui, mais além, ou de novo aqui. Como cantamos no hino sinodal: «É o sonho missionário / De chegar a toda a gente. / Longe ou perto, o necessário / É mostrar Cristo presente!» 

A conclusão do Evangelho de Mateus, como há pouco ouvimos, não podia ser mais indicativa da natureza missionária da religião que professamos, em Deus uno e trino. Foi dito aos Onze, mas implica-nos certamente a todos, segundo o ministério e o carisma de cada um: «Ide e ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-as a cumprir tudo o que vos mandei. Eu estou sempre convosco até ao fim dos tempos».
Nestas palavras está tudo o que importa, para que a Igreja seja Igreja e a missão seja missão, como há de acontecer cada vez mais entre nós: A ordem de ir (ou sair); a participação desse modo na vida trinitária de Deus (em que Pai e Filho de si mesmo saem para se encontrarem no Espírito); e a presença de Cristo entre nós, como Palavra recebida e ativa. Oiçamo-la sempre e atentamente, para cada vez mais a transmitirmos. - E assim mesmo se concretizará aquele «sonho missionário de chegar a todos», com que o Papa Francisco tão felizmente nos empola agora!

Lisboa, 31 de maio de 2015
+ Manuel, Cardeal-Patriarca    



© 2022 - Patriarcado de Lisboa. Todos os direitos reservados.
Patriarcado Simbolo