Icon Lupa Icon Menu
Início
icon seta icon seta icon seta icon
Homilia no Domingo de Páscoa da Ressurreição do Senhor
Imagem do artigo Imagem do artigo
Homilia

Homilia no Domingo de Páscoa da Ressurreição do Senhor

Para entender finalmente a Escritura

Ouvimos há pouco a Maria Madalena: «Levaram o Senhor do sepulcro e não sabemos onde O puseram…». Pois bem, nós estamos aqui neste dia inteiramente pascal porque sabemos onde Ele está. Como direis daqui a pouco: «Ele está no meio de nós!».
Aliás, também a discípula o soube e logo ali bem perto, quando Ele a chamou pelo nome. E depois os discípulos, quando nesse primeiro Domingo Jesus não precisou que lhe abrissem a porta da sala onde estavam para se apresentar no meio deles. E, daí até hoje, é a mesma presença que reconhecemos, preenchendo todo o espaço e todo o tempo: «Ele está no meio de nós!» E dizemo-lo com uma certeza surpreendente, que antecede tudo mais, como evidência que se impõe e o tempo não dilui.
Sim, poderei dizer por todos vós, que a presença de Cristo não é apenas memória do que disse e fez, como desde há dois milénios é transmitida. Não pensamos nele como em mais uma figura do passado, memorável que fosse por algum feito realizado. Guardamos certamente essas figuras e o seu legado, reconhecendo nelas o melhor que a humanidade atingiu e nos legou. Não é pouco e é sobretudo justíssimo que o façamos.
Mas com Jesus Cristo é diferente. Diferente porque não é passado só, mas presente hoje, como será amanhã. Preencheu tão totalmente o pouco espaço-tempo que foi o seu que o alargou a toda realidade em qualquer ocasião que seja. Sim, ressuscitou naquela altura precisa, a seguir ao silêncio do sábado. Mas, sobretudo sim, aí despontou o Domingo que não tem ocaso e o faz contemporâneo de cada um de nós. Assim o experimentamos e confessamos, como companhia permanente e total. Aliás, espera-nos agora aonde nos precede, em toda Galileia deste universo em expansão.
A Páscoa de Jesus abrange-nos como o fez a Saulo na estrada de Damasco, reduzindo tudo o que estava para trás a expetativa ou indício, finalmente compreendido. Trata-se duma presença que relativiza ou inclui todas as outras. A Páscoa de Jesus é um acontecimento absoluto, que reconfigura tudo o mais.

Com ela “ressuscitaremos para a luz da vida”, como pediu a oração coleta. Por isso o batismo que recebemos se chama também “iluminação”. Dêmo-nos conta de que efetivamente assim é, pois que o modo como vemos as coisas, próprias e alheias, só à luz da ressurreição de Cristo se consegue explicar.
Falei do batismo e devo dizê-lo mais devagar. Na antiga definição do sacramento, é obra da graça divina, mas pressupõe que não haja óbice da nossa parte. Daí a consciência que requer a quem o recebe e a quem o pede para outrem. Como acontecia com os primeiros cristãos e ainda sucede agora onde não há liberdade religiosa, implica risco e compromisso. Não se trata de tingir religiosamente a vida que se leva ou quer levar; trata-se, isso sim, de mergulhar profundamente na Páscoa de Cristo, para emergir diferente, com tudo o que ela exige e nos oferece além de nós.
Há inegavelmente um antes e um depois de Cristo, tanto na história do mundo como na história pessoal de cada um. Não é difícil aos historiadores verificarem que assim é, tal a diferença entre o que as culturas e civilizações tocadas pela mensagem cristã foram manifestando no modo de entender a dignidade humana, a relação com os outros e a presença no mundo e o que outras maneiras de ver tinham ou continuam a ter.
Igualmente no que a cada pessoa diz respeito. - Algum de nós pensaria como pensa, sobre si e sobre os outros, sobre a vida e sobre a morte, sobre o sentido ou não-sentido das coisas, se não reconhecesse a Jesus como o Cristo e não O sentisse em si e junto a si, nos múltiplos sinais da sua presença e nas constantes interpelações que vai fazendo?!
Interpelações constantes e redobradas agora, em tempo de profundas mudanças na cultura e na civilização, porque tanto tocam a valorização das coisas como a organização da vida coletiva. Não há campo em que a questão não se ponha e tudo nos coloca hoje numa situação semelhante à daqueles que primeiro viveram a ressurreição de Cristo. Precisamente aqueles que a essa luz pascal perceberam o que realmente vale.
No Ressuscitado compreenderam que a vida se ganha quando se oferece e que viver em Cristo é viver com os outros e para os outros, solidários como Ele foi e nos ensina a ser com todos e cada um, a começar pelos mais frágeis e injustiçados. Precisamente com esses se identificou Cristo crucificado. É estando com eles que mais estamos com Cristo, que assim mesmo ressuscitou.

Isto nos leva à última frase do Evangelho de há pouco. Diz que os discípulos «ainda não tinham entendido a Escritura, segundo a qual Jesus havia de ressuscitar dos mortos».
Assim como já respondemos a Maria Madalena, dizendo que sabemos onde está o Senhor, digamos agora aos discípulos que sim, que entendemos a Escritura, segundo a qual Jesus havia de ressuscitar dos mortos. E respondamos convictamente tanto a uma como a outra interpelação.
Na verdade, toda a Escritura que antecede a vida de Jesus só encontra “pleno cumprimento” no movimento total que o nunca por demais citado hino da Carta aos Filipenses nos entoa: Sendo de condição divina, Cristo esvaziou-se a si mesmo, tomando a condição de servo e até à morte e morte de cruz; por isso mesmo Deus o elevou acima de tudo e lhe concedeu o nome que está acima de todo o nome (cf. Fl2, 6 ss).
A promessa feita a Abraão pressupôs também alguma “morte”, no sentido em que perdeu a sua terra e se dispunha a perder o próprio filho. A saída do cativeiro egípcio pressupôs a “morte” de Moisés como príncipe, para se retomar como condutor do povo de Deus. A promessa feita a David viria a concretizar-se bem depois, quando daquele reino já não restava senão a profecia – e como esta se realizou em Jesus, de modo tão inesperado e despossuído de si.
Ressuscitar é renascer de Deus e inteiramente d’Ele, pressupondo o esvaziamento de nós próprios e do que desejaríamos só por nós. Ou melhor, convertendo o que em nós exista de aspiração pessoal mais profunda no perfeito cumprimento da vontade divina, para que seja esta a conduzir-nos, da crucifixão à glória.
Sabendo também que a vontade divina tanto nos quer a nós como quer a todos – e a todos nos oferece como sinais do seu amor. Por isso mesmo a cruz gloriosa tanto nos ergue para o Pai como nos oferece aos irmãos, na haste que se eleva e nos braços que se estendem.
Concretizar hoje mesmo esta verdade, na ação de graças que nos mantém em Deus e no serviço concreto que prestarmos aos outros, é viver a Páscoa por que o mundo espera. Sim, já entendemos que o caminho da ressurreição passa sempre pela cruz. Pois não se trata de fazer o que faríamos sozinhos, mas de oferecer aos outros o que só Deus em nós gera. Assim aconteceu com Cristo e por isso o temos redivivo e tão presente. Assim acontecerá connosco, quando a sua Páscoa for a nossa vida.
Entendeu-o São Paulo, quando também morreu para si e se ganhou em Cristo, dizendo-o depois em frases memoráveis, como esta, que indica um integral percurso cristão: «… Assim posso conhecê-lo a Ele, na força da sua ressurreição e na comunhão com os seus sofrimentos, conformando-me com Ele na morte, para ver se atinjo a ressurreição de entre os mortos» (Fl 3, 10-11).
Façamos Páscoa em nós, para a alargar aos outros em cada momento que seja. Quando morrer totalmente o egoísmo que aliás nos mataria, seja individual seja coletivamente; quando o bem dos outros imperar nas nossas escolhas e atitudes; quando a vontade de Deus nos levar ao serviço de cada um, começando pelos que mais nos requeiram: então o coração alarga-se e a ressurreição desponta. - Cristo está no meio de nós e por nós no meio de todos!

Sé de Lisboa, 17 de abril de 2022

+ Manuel, Cardeal-Patriarca


Fotos:

Domingo de Páscoa


© 2022 - Patriarcado de Lisboa. Todos os direitos reservados.
Patriarcado Simbolo