Início
“Mandatados para a missão”
17 de Janeiro de 2020
Visita Pastoral à Paróquia de Algés
“Mandatados para a missão”
A Visita Pastoral à Paróquia de Algés ficou marcada pela “proximidade” e pela descoberta de muitos profissionais cristãos que, nas suas empresas, de “forma discreta”, “dão uma qualidade diferente à atividade”. Em Miraflores, no último dia da Visita Pastoral a esta paróquia, o Bispo Auxiliar de Lisboa D. Américo Aguiar sublinhou que “as novas gerações estão disponíveis para a missão”.
Foi “a primeira Visita Pastoral de sempre” para D. Américo Aguiar. Na Paróquia de Algés, na Vigararia de Oeiras, entre os dias 6 e 12 de janeiro, o Bispo Auxiliar de Lisboa ficou a conhecer de perto esta comunidade cristã, através da visita aos diferentes grupos e ficou “muito emocionado com a comunidade viva” que encontrou também fora das paredes da igreja. No último dia, o Bispo Auxiliar que está encarregue da coordenação (logística) da Jornada Mundial da Juventude em 2022, passou pelas salas de catequese onde animou os adolescentes e jovens na caminhada de preparação ‘Say Yes’, rumo à JMJ Lisboa 2022. Durante a semana, houve tempo para visitar as empresas, instituições e serviços que estão na área geográfica da paróquia. “Tem sido um testemunho muito bonito e emocionante para mim, encontrar, em tantos locais, homens e mulheres que, do seu Batismo, fazem missão discretamente”, referiu D. Américo Aguiar, na Missa paroquial, na Igreja da Santíssima Trindade, em Miraflores, no passado Domingo, 12 de janeiro. Na Festa do Batismo do Senhor, o Bispo Auxiliar enumerou alguns dos locais visitados ao longo da semana, para valorizar a entrega dos profissionais que encontrou. “Na esquadra da Polícia, encontrei homens e mulheres que fazem o melhor que podem – com qualidades e defeitos – para servir esta comunidade. Às vezes não reconhecemos o esforço, trabalho e dedicação daqueles mais de 30 homens e mulheres que cuidam da segurança desta paróquia”, lamentou. Na homilia, foram lembradas, entre outras, as visitas ao centro de saúde, a várias empresas, ao lar de idosos e à junta de freguesia. “Queremos dar graças a Deus por todos os que se disponibilizam a servir a causa pública e que se sujeitam a eleições”, prosseguiu. Da visita à Escola Secundária de Miraflores, o Bispo Auxiliar de Lisboa mostrou-se confiante com os adolescentes e jovens que encontrou, sobretudo os do ensino secundário. “Temos gente, homens e mulheres para o futuro! As novas gerações estão disponíveis para a missão”, precisou.  
No encerramento da Visita Pastoral a esta paróquia, D. Américo Aguiar lembrou o tema da iniciativa – ‘Fazer da Igreja uma rede de relações fraternas’ –, para convidar cada cristão a “ser um laço e não uma corda à solta na rede” e a olhar para o Batismo como “fonte de onde nasce a vocação”. “Como batizados, temos este mandato, esta missão”, afirmou o Bispo Auxiliar, lembrando ainda a visita que fez a casa de uma família da paróquia, com sete filhos, para desafiar os casais jovens a não terem medo de “constituir família com 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 filhos e por aí fora...”. “Não nos esqueçamos que, a partir do momento em que somos batizados, somos mandatados para a missão”, concluiu. 

Proximidade
Para o pároco de Algés, padre António Figueira, o balanço desta Visita Pastoral é “positivo”, sobretudo porque “existiu proximidade, escuta e diálogo direto com todos”. Nos grupos paroquiais, nos serviços e empresas visitadas “houve a proximidade do senhor Bispo, uma proximidade de conforto, reconhecimento, da atividade que está a ser feita. Uma presença que resultou, da parte das pessoas, de um bom acolhimento”, sublinha, ao Jornal VOZ DA VERDADE. Para este sacerdote – que está na Paróquia de Algés desde 2009, primeiro como vigário paroquial, e, desde 2016, como pároco –, a Visita Pastoral pretendeu “ir ao encontro de outras realidades” e trouxe-lhe “um ponto novo”, ao apresentar o contexto familiar que está por trás de quem trabalhada diariamente nas empresas. “Existe uma quantidade de cristãos que, de forma discreta, silenciosa, convicta, nesses mesmos ambientes, dão uma qualidade diferente à atividade. Foi positivo ver, em direto, o que significa ser ‘sal da terra’, ‘luz do mundo’ e ‘fermento na massa’”, destaca.
Outro dos frutos da visita, referidos pelo padre António Figueira, foi o de reavivar a missão de “continuar a ir ao encontro das pessoas e de forma mais premente, na fragilidade da doença”. “Os responsáveis notam que a presença do sacerdote é importante para o conforto e alento daquelas pessoas que estão doentes, mas também para quem está a atuar, nas escolas. As próprias pessoas que estão nestas profissões precisam dos seus momentos para refletir, partilhar, ter um conforto e o facto de a visita ter acontecido, durante uma semana e de forma tão intensa, é, para mim, pároco, e para todos os padres que aqui estão, um apelo a continuar e a ampliar a proximidade que vimos acontecer”, salienta. 


  • Leia a reportagem completa na edição do dia 19 de janeiro do Jornal VOZ DA VERDADE, disponível nas paróquias ou em sua casa.

ORGANOGRAMA DA CÚRIA
© 2020 - Patriarcado de Lisboa. Todos os direitos reservados.