Início
Homilia na Missa das Universidades
26 de Outubro de 2017
Homilia na Missa das Universidades
Da Palavra nasce a fé, e a fé leva à missão   
Igreja do Sagrado Coração de Jesus
Hb 4,12-16; Lc 4,16-21
1. Sempre que nos reunimos para a Eucaristia lemos as Escrituras.
Nelas, o Senhor fala-nos e com elas nós falamos a Deus.
Através da Palavra, Deus entrou em diálogo connosco, como acaba de acontecer.A passagem da Carta aos Hebreus, que escutamos na primeira leitura, descreve algumas caraterísticas da Palavra divina.Diz que ela é uma Palavra “viva” e “eficaz”, que penetra interiormente aqueles que a escutam, porque é uma Palavra ungida pelo Espirito Santo que a inspirou ao escritor sagrado.
Penetra interiormente e faz luz sobre a realidade do que há em nós, aquilo que há de bom e o que há de mau, pondo a descoberto as disposições e as intenções mais profundas do coração. 
Sendo uma palavra inspirada, vinda de Deus, é uma palavra poderosa que realiza aquilo que diz. É uma palavra criadora, como vemos no livro do Génesis, na narração da criação: “Deus disse”, Deus falou e tudo foi feito, tudo aconteceu, segundo a sua palavra (cf. Gn 1).
É uma palavra que julga, que nos coloca perante a verdade de Deus sobre nós, sobre a nossa vida e sobre os acontecimentos da história, diante da qual nós somos chamados a assumir uma posição: de acolhimento ou rejeição.
Queria convidar-vos, não só à escuta e ao acolhimento da palavra de Deus, mas a acolhê-la como «uma palavra de Deus para mim», uma palavra viva, não morta, com a qual Deus vem ao meu encontro, com a mensagem que certamente eu necessito para a situação que estou a viver neste momento.
Não tenhais medo de olhar a verdade sobre vós à luz da Palavra e de vos deixardes julgar por ela, e abraçar a vontade de Deus, a proposta que Deus nela vos faz, o caminho que tem para vós.

2. A palavra de Deus assumiu rosto, voz, vida, fez-se acontecimento em Jesus de Nazaré. 
Em Jesus, Deus mostrou-se, Deus fez-se ver, Deus falou-nos diretamente, e disse tudo aquilo que tinha para nos dizer. A revelação divina ficou completa. A revelação divina iniciada no Antigo Testamento alcança a perfeita realização em Jesus. “Jesus transmitiu-nos as palavras de Deus” (Jo 3,34); falou o que ouviu do Pai, do que o Pai lhe ensinou (Jo 8,28); não falou de si mesmo, mas conforme o Pai antes lhe falou (Jo 12,50), por isso, as suas palavras “são espirito e vida” (Jo 6,63), são “palavras de vida eterna”, permanecem no tempo e para além do tempo, não envelhecem, não passam de moda. Nelas e através deles, Deus continua o seu diálogo de amor, iniciado na história da salvação, que alcançou a sua plenitude em Jesus.

3. Os Evangelhos dizem-nos que palavra de Deus proclamada por Jesus é recebida diferentemente pelos diversos ouvintes. 
É uma palavra para todos, todos a ouvem, mas só os que a compreendem (Mt 13.23), ou os que a aceitam (Mc 4,33), ou a guardam (Lc 8,15) é que chegam a vê-la produzir neles fruto.
E um desses frutos é a fé. A fé nasce da escuta da palavra, do seu acolhimento no bom terreno, que é o coração de cada um de nós.
E segundo Jesus, aqueles que a ouvem e a põem em prática, constroem sobre a rocha, mas os que a ouvem e não a põem em prática, constroem sobre a areia (Mt 7,24.26; Lc 6,47,49).
Caríssimos jovens, certamente que todos vós desejais construir as vossas vidas e o vosso futuro sobre algo de firme, de consistente que tenha sentido e vos dê segurança. Então construi sobre a rocha, que é Cristo, sobre a sua Palavra.Ela é um alicerce firme, para a construção da nossa vida e do nosso futuro; força para irmos em frente sem desanimar e recomeçar, quando tudo desmorona; força para resistir às adversidades e contrariedades, mantendo viva a esperança e a confiança, de que o Senhor não nos abandona, está connosco.
Na sua Palavra encontramos luz para o nosso caminho, e força para lutar e construir um futuro melhor, e um mundo melhor para todos.
Construí sobre Cristo, sobre a sua Palavra e vereis os seus frutos, as coisas belas e extraordinárias que a Palavra faz nas vossas vidas, quando a pondes em prática.
Assumi como propósito neste ano letivo e pastoral que estais a iniciar, de conhecer a palavra de Deus, trazê-la para o centro da vossa vida, da vossa reflexão e da vossa ação; crescer na familiaridade com as Sagradas Escrituras, para crescerdes na fé, vos encontrardes pessoalmente com Jesus, e vos tornardes verdadeiramente seus discípulos.

4. A Palavra leva à fé, e a fé leva à missão.
Todos aqueles que se encontraram com Cristo, que acolheram a sua Palavra e foram ungidos pelo Espirito Santo, nos sacramentos do Batismo e do Crisma, são «discípulos missionários».
O encontro com Cristo e a unção batismal e crismal vincula-nos à pessoa de Jesus, à Igreja, e à missão de anúncio e testemunho do Evangelho.
Evangelizados pela Palavra e ungidos com o mesmo Espírito que ungiu Jesus, cada um de nós pode fazer suas as palavras do profeta Isaías, que escutamos no Evangelho, e que Jesus leu na sinagoga de Nazaré e aplicou a si, dando início à sua missão messiânica. 
Cada um de nós pode e deve dizer: o Espirito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu, e me envia a anunciar o Evangelho, que cura, converte, liberta, consola, e faz viver, a ser sinal e portador do seu amor no mundo.Nesta celebração, juntamente com a bênção de Deus para o novo ano que estais a começar, peço ao Senhor que o vosso coração seja um bom terreno, aberto, disponível e dócil, para acolher a sua Palavra. Um coração onde a Palavra germina, cresce e dá muito fruto em vós, e transborda de vós para os outros, para o ambiente das vossas Faculdades e para o mundo.
Sede testemunhas vivas da palavra de Deus, que ela gere em vós Cristo, para que o possais dar espiritualmente ao mundo, o façais nascer no coração daqueles que ainda não o encontraram.

Ϯ Joaquim Mendes
Bispo Auxiliar de Lisboa

ORGANOGRAMA DA CÚRIA
© 2020 - Patriarcado de Lisboa. Todos os direitos reservados.