Youtube

DOCUMENTOS

01 de Julho de 2018

Homilia na Missa de Ordenações (c/ vídeo e fotos)

Imprimir

«- Quem tocou nas minhas vestes?» A pergunta de Jesus ressoa agora, nesta Missa de Ordenações, com a mesma força com que soou então. Podemos dizer que é exatamente por isso que estamos hoje aqui, a começar pelos que vão ser ordenados.Vejamos: Jesus tinha rumo certo e urgente, indo à casa de Jairo para lhe acudir à filha moribunda. Comprime-o a multidão, onde se inclui uma mulher doente e desenganada dos médicos, que se arrisca a aproximar-se e tocar-lhe no manto. Sente-se curada e Jesus sente que a curou. Quer saber quem lhe tocou e respondem-lhe que é impossível, com tanta gente apinhada. Jesus insiste e a mulher prostra-se diante dele, confessando o que se passara. Para ouvir em resposta: «Minha filha, a tua fé te salvou”». 
Já não é só a cura, mas a salvação, no encontro franco e confiante com Aquele que passava e se detivera. Depois, ainda haverá tempo para Jesus chegar a casa de Jairo e fazer a jovem levantar-se do leito em que a davam como morta, com aquele “Talita Kum” que Jesus nos continua a dizer a todos. E para mandar que a alimentassem, porque a salvação tudo inclui, do mais definitivo ao mais imediato e concreto. 
Caríssimos irmãos, encontramos nesta magnífica página evangélica o essencial do que é a presença de Cristo e de como havemos de assinalá-la nós, o corpo eclesial em que se quer manifestar ao mundo. Vós, muito especialmente, caríssimos ordinandos, que representareis pelo sacramento da Ordem aqueles três discípulos que O acompanhavam de mais perto: Pedro, Tiago e João sois agora vós.  
Detenhamo-nos um pouco, como Jesus se deteve então. Há a mulher e a sua doença, há Jesus e o seu manto. Há a sua intenção de chegar à casa de Jairo e a multidão que lhe dificultava o caminho... 
Mas concentremo-nos naquilo em que a mulher e Jesus se concentraram. Da parte dela, a fé que ainda sobrava numa cura sempre adiada: «Se eu, ao menos, tocar nas suas vestes, ficarei curada». Assim arriscou e assim aconteceu. Da parte de Jesus, o sentimento do que sucedera e a insistência no que faltava: o encontro pessoal e mutuamente reconhecido, para que a salvação acontecesse.
A mulher perdia muito sangue, e com o sangue fugia-lhe a vida. Jesus cura-a para aquela vida maior e mais plena a que se pode chamar propriamente “salvação”. A mulher aproximou-se por entre a multidão e tocou-lhe por detrás, no manto. Concentrou-se totalmente neste último rasgo de esperança. Jesus concentrou-se na procura de quem o procurara.
Evangelizar é isto mesmo, hoje como naquela altura. Deixarmos que através de nós Jesus continue a atravessar este mundo cheio de muita gente, muitas dores e também esperanças. Deixarmos que, precisamente assim, Jesus cuide dos outros, em relações verdadeiramente pessoais e interpessoais que curem e salvem. Onde pode haver pressa e urgência, mas nunca se ultrapassa ou descarta quem quer que apareça e em nenhum momento da vida, sobretudo a mais frágil no corpo ou no espírito. 
Sabemos como aquele lugar cheio de gente está hoje apinhado de vozes e imagens, reais ou virtuais, diretas ou mediáticas. Parecendo saber de tudo, corremos o risco de não conhecer realmente quase nada e, pior ainda, quase ninguém. Mesmo em casa de cada um, mesmo nos lugares de nós todos, se não nos exercitarmos em dar pelos outros, em dar-nos com os outros e em dar-nos aos outros. Verdadeiramente e um por um, como a vida acontece e nos reclama. Para acontecer melhor, curando e salvando.
Jesus tinha tanta pressa em chegar a casa de Jairo, como se dispusera… Mas sobreveio aquela mulher enferma e o mundo quase parou: «- Quem tocou nas minhas vestes?». O essencial é o “quem”, pois duma pessoa se tratava. No Evangelho não há plano nem programa, por melhor arquitetado que seja, que se sobreponha a cada pessoa e não nos disponha a servi-la. Em cada pessoa entreabre-se um mundo e o tempo de Deus é a caridade de Cristo, que não acaba nunca (cf. 1 Cor 13, 8). Quando repetimos no Credo: «E por nós, homens, e para nossa salvação [Cristo] desceu dos Céus. E encarnou pelo Espírito Santo no seio da Virgem Maria e se fez homem», referimos o essencial divino no essencial humano, Deus que nos procura onde nos perderíamos sem Ele. Na vida de Cristo e na vida dos que o seu Espirito ativa, para que o Evangelho continue a acontecer, espaço a espaço e tempo a tempo, concretíssimos sempre. E que nada nos distraia deste acontecer.

Aquele “manto” de Jesus, em que a mulher tocou à espera de cura, é o que devemos ser também nós, os seus discípulos. Sabemos como, biblicamente, o manto se liga à pessoa que envolve. Sabemos como o que aconteceu com Cristo há de continuar a acontecer pelos cristãos, seu revestimento sacramental, pessoa a pessoa e caso a caso.  
- O que é alguém batizado senão a concretização, pelo Espírito de Cristo, da filiação divina?! – O que é alguém crismado senão o Evangelho em atuação, pelo mesmo Espírito?! – E o que sereis vós daqui a pouco, caríssimos ordinandos, senão sinais vivos, sempre pelo mesmo Espírito, da presença de Cristo servo e pastor no meio dos seus e no meio do mundo?! No que é próprio do ministério ordenado, sê-lo-eis pelos outros e sê-lo-eis para os outros. Graças são encargos, um talento é uma responsabilidade e cada carisma serve o bem de todos. 
Dum modo ou doutro e seja onde for, ministros e fiéis, somos o manto de Cristo em que muitos quererão tocar, buscando cura e salvação. Cristo entre a multidão, Cristo que se detém e corresponde, Cristo que abre o tempo do mundo ao tempo de Deus, são imagens sugestivas do que a Igreja há de ser, como comunidade e missão. Comunidade, onde tem de haver lugar para todos, ainda que a porta seja estreita (cf. Mt 7, 13), da estreiteza da Cruz. Missão, porque os braços da Cruz se alargam ao universo inteiro, onde chegarmos ou pararmos, respondendo ao apelo de alguém.
Caríssimos ordinandos: Pela ordenação e o ministério, estareis especialmente identificados com Jesus e os seus gestos salvadores. Rezamos para que reconheçais em vós o que São Paulo reconhecia em si: «Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim!» (Gl 2, 20). Com tal sentimento e tal consciência, cada momento da vossa vida reproduzirá o Evangelho que ouvimos, fazendo do vosso espaço e do vosso tempo o próprio acontecer do Reino. Do que Jesus inaugurou e da maneira como o fez. Quando andava ou quando se detinha, num tempo totalmente preenchido pela vontade do Pai, que é o bem completo de quem quer que seja, de quem quer chegue. 
A Mãe de Jesus vos acompanhará, pois é esse por excelência o seu modo de ser e de estar. Atenta a Deus e atenta aos outros, da Anunciação à Visitação e do Presépio à Cruz, ensinar-vos-á que é no acolhimento e no serviço que acontecem as maravilhas de Deus.   

Santa Maria de Belém, 1 de julho de 2018

+ Manuel, Cardeal-Patriarca


  • FOTOS:
Ordenações - julho 2018


  • VIDEOS:





Siga-nos em:
  • Facebook
  • YouTube
  • Sapo
  • Twitter
  • Flickr
Patriarcado de Lisboa
© 2018 - Patriarcado de Lisboa, todos os direitos reservados Desenvolvido por  zoomsi.com