Youtube

NOTÍCIAS

07 de Dezembro de 2017

Paróquia de São João de Deus: “Pôr o Espírito de Jesus em tudo”

Imprimir
A Paróquia de São João de Deus é uma “paróquia sinodal”, onde cada cristão é desafiado a ser um “agente ativo e não simplesmente um destinatário daquilo que se propõe”, aponta o pároco, cónego Carlos Paes. Durante a Visita Pastoral a esta paróquia da cidade, D. Nuno Brás apelou aos adolescentes da catequese para “não desconfiarem” da vontade de Deus quando interpelados na sua vocação.

A Paróquia de São João de Deus, em Lisboa, apresenta-se não como uma paróquia “piramidal”, onde um vértice é o sacerdote que depois conta com os colaboradores para aplicar a sua ideia, mas como uma paróquia “circular, em vários círculos concêntricos, com um eixo e uma cabeça, que é Jesus Cristo”. A descrição é feita, ao Jornal VOZ DA VERDADE, pelo pároco, cónego Carlos Paes, que está nesta paróquia desde 1982. A “capacidade de acolher” é aquilo que é mais preservado nesta paróquia da Vigararia Lisboa IV. “Atrás do acolhimento vem um desafio para a inclusão”, garante o pároco, que destaca um facto “curioso”: “A igreja de São João de Deus tem quatro portas, que estão abertas, desde as 8h30 até às 23h00, todos os dias”. “Estão abertas porque as pessoas procuram”, sublinha. 

Referência
A grande movimentação que existe, diariamente, em todos os espaços da paróquia mostra a disparidade quando se fala de uma paróquia-tipo, no centro da cidade. Em plena Praça de Londres, a Paróquia de São João de Deus conta, por exemplo, com quase 550 crianças na catequese – o que, juntamente com outros grupos e movimentos, obriga a um planeamento semanal para a utilização das salas. “O número de crianças na catequese era uma coisa que nos surpreendia. Agora já sei que é assim. A paróquia não é tanto o território, mas é uma comunidade referência. Ao longo dos tempos, as pessoas viram uma referência nesta paróquia e é isso que faz com que ela, hoje, seja muito frequentada. Por exemplo, quem tem filhos e netos, mesmo que não viva na paróquia, gosta de os trazer aqui, para a catequese. No ano passado tivemos mais de 100 batismos, o que é surpreendente”, refere o cónego Carlos Paes.

Diversidade
Em plena rua, ou até ao entrar na igreja, em horas próximas às Missas Dominicais – que habitualmente totalizam mais de 1000 fiéis –, é fácil encontrar carrinhos de bebé. Para o cónego Carlos Paes, este facto “é expressão de uma certa reciclagem da população”. “São pessoas com formação escolar superior e cultura média superior, que tornam a paróquia realmente urbana, até nesse aspeto da cultura predominante”, descreve o pároco. Estas características levam também a paróquia a contar com vários e diversificados grupos de leitura e oração. “O que é comum numa paróquia, aqui é muito diversificado porque a paróquia é grande”, refere. Toda esta “diversidade” acabou por “surpreender” o Bispo Auxiliar de Lisboa, D. Nuno Brás, durante a Visita Pastoral à Paróquia de São João de Deus que decorreu entre 28 de novembro e 3 de dezembro.

Corpo de Cristo
No entender do pároco, de 78 anos, foi uma Visita Pastoral que “correu muito bem e, por isso, com um balanço positivo”. “A Visita Pastoral acaba por ser um acontecimento com um significado muito especial, porque constitui um pretexto para que a própria paróquia tome consciência de si mesma, de forma apresentar-se ao Bispo, em todas as suas expressões, desde as administrativas às pastorais, que, neste caso, foram agrupadas em três áreas: uma ligada à Evangelização direta, outra à Espiritualidade e Liturgia e a terceira à Ação Sociocaritativa”, descreve o cónego Carlos Paes.
Foram várias as realidades pastorais que receberam a visita de D. Nuno Brás, ao longo de uma semana. Na assembleia com os adolescentes da catequese, que decorreu no passado dia 29 de novembro, no auditório da igreja de São João de Deus, o Bispo Auxiliar de Lisboa apelou ao sentido comunitário. “Não há cristãos sozinhos. Nós somos cristãos sempre uns com os outros. Vocês são membros do mesmo Corpo de Cristo que eu. Somos membros desta mesma realidade que é a Igreja. É uma riqueza!”, garantiu D. Nuno Brás aos adolescentes a partir do 4º ano da catequese.
Perante o resultado de um questionário prévio feito aos diferentes anos da catequese paroquial, e onde foi abordado o tema ‘A descoberta da vida como vocação’, os catequizandos expressaram falta de “maturidade” para se poderem questionar sobre a sua vocação. O Bispo Auxiliar lembrou que a “vocação não é algo que escolhemos, mas algo a que somos chamados”. “Temos que aprender a não desconfiar de Deus. Deus quer o melhor para cada um de nós e, por isso, se nós descobrirmos aquilo que Ele quer para cada um temos mais segurança nesse caminho do que simplesmente daquilo que eu acho, gosto ou gostava”, referiu D. Nuno Brás.


  • Leia a reportagem completa na edição do dia 10 de dezembro do Jornal VOZ DA VERDADE, disponível nas paróquias ou em sua casa.
 


Siga-nos em:
  • Facebook
  • YouTube
  • Sapo
  • Twitter
  • Flickr
Patriarcado de Lisboa
© 2017 - Patriarcado de Lisboa, todos os direitos reservados Desenvolvido por  zoomsi.com