Youtube

NOTÍCIAS

14 de Julho de 2017

Campos de Férias Católicos - Férias com Jesus sempre presente

Imprimir
Os campos de férias católicos “têm vindo a crescer em Portugal”, sobretudo “devido às paróquias que têm apostado neste método eficaz e maravilhoso de viver o Evangelho durante as férias de verão”. A opinião é de Miguel Oom Torres, um dos ‘fundadores’ da Rede de Campos de Férias Católicos (CFC).

“É, de facto, fantástico, a experiência e a alegria que se vive num campo de férias, porque o melhor de um campo de férias é a capacidade de estarmos de férias e podermos proporcionar as férias mais agradáveis e mais divertidas às pessoas que nelas participam. Não há férias mais felizes e mais alegres do que aquelas que são vividas num campo de férias católico. Por muito que seja bom estar de ‘papo’ para o ar no Algarve, ou fazer uma ótima viagem cultural, o que se vive num campo de férias católico é uma alegria imensamente grande e a razão principal – não nos deixemos enganar – é precisamente o facto de vivermos estas férias com Jesus sempre presente”, frisa ao Jornal VOZ DA VERDADE Miguel Oom Torres, de 26 anos, que nos últimos oito anos participou como animador, em todas as férias de verão, em campos de férias católicos.

Encontro com Jesus
Miguel é da Paróquia de São Julião da Barra, em Oeiras, e destaca a importância de “em praticamente todos os campos de férias católicos haver sempre um sacerdote presente”. “Temos a oração como pano de fundo, celebramos Missa durante os dias em que estamos no campo – há campos que não conseguem ter Missa diária, mas todos eles terão, pelo menos, uma Eucaristia ao longo da semana. Os diferentes movimentos propõem diferentes propostas de espiritualidade e a beleza dos campos de férias é que, atendendo aos diferentes carismas da Igreja, são propostos diversos modos de viver a fé”, refere.
Para este membro da Rede CFC, o encontro com Jesus marca todos os campos de férias católicos. “Podemos estar a brincar, podemos estar na lama ou a jogar jogos mais tradicionais, em momentos de pura diversão, mas por diversos momentos, ao longo do dia, os miúdos param para se encontrarem verdadeiramente com Jesus, seja em momentos de oração, seja em momentos mais lúdicos. Jesus está sempre presente nas diferentes atividades dos campos de férias”, assegura este jovem, que quando era adolescente, com cerca de 12 anos, participou nos campos da Paróquia de Carcavelos, durante cinco anos.

Eficaz método de evangelização
Desde 2010, Miguel Oom Torres foi monitor em três campos diferentes: SAIREF, Carraças e Pegadas, a que ainda pertence. “Ser animador tem sido uma experiência muito grande de aprendizagem, de apostolado e de evangelização”, frisa. Houve verões em que chegou a animar dois campos de férias, mas este ano vai animar somente o campo do Carraças.
Estávamos no início do ano 2015 quando começou a nascer a ideia de criar uma rede que reunisse todos os campos de férias católicos do país. “Alguns amigos de vários movimentos que animavam campos de férias, seja como animadores seja como casais de campo, em conversa, perceberam que o que acontece nos campos de férias, a experiência de evangelização, de fé e de crescimento pessoal é tão grande que deveríamos falar mais sobre isso”, lembra. Foram então marcadas diversas reuniões com os animadores de campos como o Camtil, o Campinácios, o Gambozinos, o SAIREF, o Carraças, o Pegadas ou o Milonga. “Dessas reuniões ficou decidido organizar o I Seminário de Campos de Férias Católicos, no Colégio de São João de Brito, que aconteceu em outubro de 2015, numa altura em que decorria também um teatro musical sobre campos de férias, organizado pelas Produções Boa Nova, do Centro Paroquial do Estoril, intitulado ‘Crónicas de Campo’, que pretendia mostrar às pessoas o que se vive num campo de férias”, recorda Miguel. A Rede de Campos de Férias Católicos nasceu nesse dia, há quase dois anos. “Antes do encontro fizemos um breve estudo para tentar perceber quantos movimentos com campos de férias católicos havia em Portugal – na altura, pensávamos que eram uns cinco ou seis e percebemos que eram já mais de 20! –, entrámos em contacto com todos eles e convidámos embaixadores de cada um desses movimentos. No Colégio de São João de Brito a manhã foi de apresentação, para que todos nos pudéssemos conhecer, e à tarde partilhámos a forma como cada campo atua e trabalha. Foi ótimo porque os diferentes movimentos puderam aprender uns com os outros, puderam partilhar experiências de funcionamento do campo, atividades que são feitas”, recorda Miguel, salientando que “este foi um encontro apadrinhado pelo nosso Cardeal-Patriarca”. “O senhor D. Manuel Clemente esteve connosco, acompanhou o encontro, celebrou Missa no final e deixou-nos a semente da noite de Todos os Santos”.

  • Leia o texto completo na edição do dia 16 de julho do Jornal VOZ DA VERDADE, disponível nas paróquias ou em sua casa.
 


Siga-nos em:
  • Facebook
  • YouTube
  • Sapo
  • Twitter
  • Flickr
Patriarcado de Lisboa
© 2017 - Patriarcado de Lisboa, todos os direitos reservados Desenvolvido por  zoomsi.com