Início
Paróquia de Santo Antão do Tojal recebe Nossa Senhora do Cabo Espichel
08 de Outubro de 2020
Círio dos Saloios
Paróquia de Santo Antão do Tojal recebe Nossa Senhora do Cabo Espichel

A Paróquia de Santo Antão do Tojal voltou a receber, no passado fim-de-semana e após 25 anos, a Imagem de Nossa Senhora do Cabo Espichel. Junto dos fiéis, o Cardeal-Patriarca apelou a tomar como exemplo o ‘sim’ de Nossa Senhora, colocando os talentos recebidos à disposição de todos, “sobretudo daqueles que mais precisam”. “Ensinando-nos isto, ensina-nos tudo, tudo o que precisamos de saber”, assegurou D. Manuel Clemente.


Vinte e cinco anos passaram desde a última visita da Imagem de Nossa Senhora do Cabo Espichel à Paróquia de Santo Antão do Tojal, na Vigararia de Loures-Odivelas. Então como agora, neste tempo de pandemia, o Círio dos Saloios não perde a vitalidade, mas ganha um novo “contexto”, apontam os paroquianos que viram o plano das festas ser reduzido, por recomendação das autoridades de saúde. Para o Cardeal-Patriarca de Lisboa, que presidiu à Missa no último Domingo, 4 de outubro – dia seguinte à chegada da Imagem à paróquia –, as “limitações” dos festejos, provocadas pela pandemia, não tornam este momento “menos fervoroso” ou “intenso”. “Estes círios que vão passando de freguesia em freguesia continuam a ser muito importantes. Nunca perderam a sua vitalidade e sempre ressurgem, sejam quais forem as circunstâncias – e há séculos que isto acontece – concretamente com este Círio de Nossa Senhora do Cabo, também chamado Círio dos Saloios. Continua com esta vitalidade, de freguesia em freguesia, de quarto em quarto de século, a visitar as populações e, sempre, marcando a vida das pessoas”, referiu D. Manuel Clemente, manifestando o desejo de que o encerramento da visita, marcado para daqui a um ano, “já possa ser feita com mais concorrência de povo, com toda aquela alegria, quer religiosa, quer das manifestações profanas que, normalmente e justamente, acompanham esta romagem de Nossa Senhora do Cabo”.

Círio dos Saloios - Santo Antão do Tojal

Vida partilhada
Na celebração dominical que foi transmitida em direto pela TVI, o Cardeal-Patriarca partiu da Liturgia da Palavra, que comparava “o povo de Deus com uma vinha que Deus planta”, para alertar os fiéis a estarem disponíveis para colocar os seus talentos a render para os outros. “Aquilo que nós temos em vez dos outros, é aquilo que nós temos para os outros”, assegurou D. Manuel Clemente, reforçando que “o bem que fazemos para os outros faz ricochete também para nós”. 
Segundo o Cardeal-Patriarca, este apelo para pôr a render o que se recebe de Deus encontrou também cumprimento pleno na vida de “Nossa Senhora do Cabo, com o seu Menino ao colo”. “Tudo quando recebe de Deus, Maria nos oferece nessa graça plena que por Ela veio ao mundo e que se chama Jesus Cristo, Nosso Senhor”, assinalou, manifestando o desejo de que esta Imagem, durante este ano de permanência em Santo Antão do Tojal, seja, para todos, “o exemplo do que devemos ser diante da vida, diante dos nossos, diante de todos e, sobretudo, diante daqueles que não têm ninguém que trate deles e que estão desamparados e frágeis”. Na homilia da Missa, D. Manuel Clemente desejou ainda que esta presença de Nossa Senhora do Cabo Espichel “constitua um incentivo a receber a vida como um dom de Deus, mas como um dom que tem de se retribuir, ao próprio Deus, de quem provém, e a todos os outros, porque não há maior alegria de Deus do que ver que os seus filhos são bem tratados, são bem acolhidos, bem acompanhados”. “Tenho a certeza que Nossa Senhora do Cabo vos irá ensinar tudo isto, com a sua presença silenciosa e forte, aqui neste bonita Igreja de Santo Antão do Tojal, oferecendo o seu Menino, que cuidou, e dizendo a todos que é isto a vida que Deus quer: que nós recebamos de Deus aquilo que Ele nos oferece, mas que não acaba em nós, que tem de chegar a todos e, sobretudo, aos mais pequenos e frágeis. Ensinando-nos isto, ensina-nos tudo, tudo o que precisamos de saber: que a vida é um dom de Deus que nós recebemos, para distribuir por todos, sobretudo por aqueles que mais precisam”, resumiu D. Manuel Clemente.

“Renovação da comunidade”
Após um ano na Paróquia de Lousa (ver caixa), a Imagem de Nossa Senhora do Cabo Espichel chegou à Paróquia de Santo Antão do Tojal na tarde do passado sábado, 3 de outubro. O pároco, padre Tiago Neto, assegura, ao Jornal VOZ DA VERDADE, que esta presença “pode ser um sinal de esperança e um sinal que pode ajudar as pessoas a terem ânimo, perante os desafios que este tempo apresenta”. A pandemia obrigou a trocar os planos, mas não demoveu o empenho da Comissão de Festas de Nossa Senhora do Cabo Espichel que começou a preparar a visita há mais de um ano e meio. A celebração da chegada da Imagem realizou-se com as contingências necessárias, mas os festejos populares foram sendo cancelados ao longo do tempo de preparação. “As pessoas foram-se adaptando e foi feito um caminho de confronto com a realidade, tentando fazer o possível com as condições que temos”, salienta o padre Tiago, que, apesar das contingências, interpreta a presença da Imagem de Nossa Senhora do Cabo Espichel como uma ocasião para a “renovação da comunidade”. “É uma oportunidade para agregar outras pessoas, para possibilitar que a paróquia consiga ser um lugar irradiador de fraternidade no contexto da comunidade local. A paróquia não está aberta só para si, mas está aberta para todos”, refere o jovem sacerdote, que, na preparação deste acontecimento, contou com a ajuda de vários paroquianos, que se lembram da última passagem do Círio Saloio, há 25 anos. “Quase todos os membros da comissão estiveram presentes. Há 25 anos, eram praticamente todos jovens e lembram-se. Há também pessoas que guardam memória de entes queridos que faleceram e que também participaram”, aponta o padre Tiago, assegurando que “a narrativa religiosa da comunidade vai decorrendo à volta da passagem da Imagem de Nossa Senhora do Cabo, de 25 em 25 anos”.


  • Leia a reportagem completa na edição do dia 11 de outubro do Jornal VOZ DA VERDADE, disponível nas paróquias ou em sua casa.



ORGANOGRAMA DA CÚRIA
© 2020 - Patriarcado de Lisboa. Todos os direitos reservados.