Início
Homilia na Missa de ordenação de diáconos permanentes
13 de Setembro de 2020
Homilia
Homilia na Missa de ordenação de diáconos permanentes

A diaconia da verdade é a diaconia da caridade


Caríssimos irmãos aqui presentes, caríssimos ordinandos de diácono

Ainda a começar o novo ano pastoral, particularmente dedicado à prática sociocaritativa, na receção da nossa Constituição Sinodal de Lisboa, ouvimos atentamente a Palavra de Deus deste Domingo, que mais coincidente não podia ser com este momento celebrativo.

Também para respondermos a perguntas instantes: - O que somos como Igreja de Cristo? O que oferecemos como próprio nas atuais circunstâncias? De que modo e com que modo o havemos de fazer?

Neste fim de verão de 2020, vivemos o que geralmente se vive em Portugal, face à pandemia que persiste. Continuação ou retoma do trabalho, para quem o tem, ou procura dele para quem o perdeu ou nunca teve. Início do novo ano escolar, com as cautelas necessárias para docentes, discentes e todos os envolvidos no sistema de ensino. Cuidados de saúde e proteção dos mais frágeis nos hospitais e em todos os equipamentos a eles destinados do setor público, privado ou social… Em geral e caso a caso, o desafio é grande, pedindo-nos a todos participação, criatividade e empenho. Saúdo quantos, anónimos ou conhecidos, nos têm mantido como sociedade verdadeiramente solidária.

Em todas estas frentes se encontra a Igreja, porque em todas elas se encontram cristãos, como cidadãos entre cidadãos. Não podia ser doutro modo e graças a Deus que é assim.

Porém – e voltando às perguntas com que comecei – o que somos e oferecemos como próprio? A resposta, tão adequada numa ordenação diaconal, é a que o Papa Francisco deu em alocução recente, resumindo-se numa palavra: caridade. Explicou o Papa que a caridade, além da natural filantropia, repassa-nos dos sentimentos de Cristo, fazendo amar como Ele amou e amando-O também naqueles em quem nos espera, com particular atenção aos mais pobres, de tantas pobrezas que subsistem.

Compreendemos assim que a caridade - como a fé e a esperança – seja uma virtude teologal, modo de dizer uma força invencível que tem em Deus a sua fonte e o seu fim. Por isso São Paulo lembrou que é o Espírito Santo que a derrama nos nossos corações (cf. Rm 5, 5). E, sendo verdade que o Espírito Santo sopra onde quer, bem será que tal se experimente na Igreja que Ele mesmo reúne em torno de Cristo, para glória de Deus Pai. E assim é. Também e de facto.

No trecho há pouco ouvido, São Paulo oferece-nos uma das suas magníficas sínteses teológicas e existenciais sobre o que nos define como discípulos de Cristo: «Nenhum de nós vive para si mesmo e nenhum de nós morre para si mesmo. Se vivemos, vivemos para o Senhor e se morremos, morremos para o Senhor». Modo de dizer que Cristo é para nós a realidade primeira e definitiva em que o próprio Deus se oferece e em que nos oferecemos a Deus, nada havendo que nos distraia deste consentimento total. 

O que fazemos em Cristo, de Deus para Deus, seja em que circunstância for e em relação a quem for, é outro modo de referir a caridade sentida e operativa. É a alma da Igreja e o que ela oferece ao mundo. Começou em Cristo e prolonga-se em quem vive do seu Espírito.

A restauração do diaconado como grau próprio e permanente do sacramento da Ordem pretendeu sublinhar a prevalência da caridade na vida da Igreja e no seu serviço ao mundo. Com este critério fostes certamente escolhidos, caríssimos ordinandos, e com esta missão vos realizareis agora.




Amar como Cristo amou, ou como Deus nos amou em Cristo, traduz-se no Evangelho de hoje em perdoar como Deus nos perdoou. Na verdade, o perdão evangélico não significa esquecimento do pecado, mas recriação do pecador. Por isso é da ordem da caridade, ganhando a amplidão e o efeito que só Deus pode garantir. 

«Não até sete vezes, mas até setenta vezes sete», disse Jesus a Pedro e repete-o agora a nós. Trata-se de renovar profundamente as vidas com o poder recriador de Deus, que não desiste de nenhuma das suas criaturas. Jesus preenche o Evangelho com atitudes e parábolas neste sentido pleno, concluído na cruz, pedindo perdão para os mesmos que o crucificavam. Há quem considere ser precisamente o amor dos inimigos a melhor definição do cristianismo. Também o pedimos na oração que o Senhor nos ensinou e assim – unicamente assim – se quebra a espiral de tantas violências do nosso pequeno ou grande mundo.

Sabemos não ser fácil, mas aceitemos ser possível. Reconheçamos também não haver alternativa, se quisermos prevenir grandes males. Temos aí a história mundial, que nunca resolveu nenhum conflito com outro conflito, nem manteve duradouramente a paz sem perdão mútuo e verdadeiro. 

Cada um é donde nasceu e de quem nasceu, movendo-se por sentimentos de pertença que em si mesmos são bons e belos. Mas os particularismos de nação, raça ou convicção, quando perdem o horizonte da humanidade inteira e do mundo em geral, acabam por destruir isso mesmo que cada um transporta de bom e só universalmente renderia. – Quanto desperdício humano, além de material e ecológico, se tem acumulado por falta de vontade em nos reconstruirmos mutuamente!  

  E não olhemos só para longe, quando às vezes a reconstrução deveria começar bem perto, como nas famílias e comunidades. Caríssimos ordinandos, contamos convosco e com os vossos colegas diáconos, para serdes, com a graça especial do sacramento recebido, obreiros constantes da verdadeira paz.


Ouvimos também há pouco, no trecho de Ben-Sirá: «Recorda os mandamentos e não tenhas rancor ao próximo». Outro modo de dizer que, quem se recorda do Deus de todos não fecha o coração a ninguém, não valendo confundir razão de queixa com motivo de rancor. As discordâncias resolvem-se com o diálogo, expondo e ouvindo de parte a parte, com vontade forte de chegar a entendimentos possíveis, passo a passo.

Em sociedades de “comunicação” intensa e muito potenciada, como é a nossa, torna-se difícil escutar os outros, perdidos no ruído geral. Riposta-se ao que não se ouviu nem leu e as reações imediatas tomam o lugar da reflexão ponderada, quase impossível de fazer e em sequer aprendida. Não admira que sentimentos desgarrados, primeiras impressões e ligações grupais acabem por ocupar medias e redes, originando ou agravando conflitos sobre conflitos, que muito distraem e nada constroem. 

Não raro atingem-se pontos fulcrais, atinentes à vida no seu arco completo, à educação e à cultura, à justa convergência família – escola, ou à realidade política nacional e internacional. Os debates fazem-se para ganhar uma parte e não para nos ganharmos todos mais à frente, escutando com atenção as razões de cada um. A própria linguagem se torna por vezes tão precipitada como a correnteza das ideias feitas - e muito indisponíveis para se refazerem, sendo o caso. 

Nem sempre é assim, felizmente, ainda que os maus exemplos tenham mais palco do que os bons. Mas para os cristãos, como para tantos homens e mulheres de boa vontade, é urgente e prioritário reproduzir a atitude de Cristo, ouvindo para propor e perdoando para reconstruir. 

– Contamos convosco, caríssimos ordinandos, porque a diaconia da verdade é a diaconia da caridade! 


Sé de Lisboa, 13 de setembro de 2020

+ Manuel, Cardeal-Patriarca             



Ordenações diaconais - setembro 2020


ORGANOGRAMA DA CÚRIA
© 2020 - Patriarcado de Lisboa. Todos os direitos reservados.